2º TRIMESTRE - MOVIMENTO PENTECOSTAL

2º TRIMESTRE - MOVIMENTO PENTECOSTAL

2º TRIMESTRE

Lição 01

QUEM É O ESPÍRITO SANTO
Texto áureo: Jo. 14.6 – Leitura Bíblica: Jo. 14.16,17,26; 6.13-15
Objetivo: Mostrar aos alunos que o Espírito Santo é a Terceira Pessoa da Trindade Santíssima e, à semelhança do Pai e do Filho, é Deus.
INTRODUÇÃO
Este é um trimestre histórico para o movimento pentecostal no Brasil. A Igreja Evangélica Assembléia de Deus estará celebrando o seu Centenário. Por isso, os temas da revista, para este trimestre, farão alusão à doutrina do Espírito Santo. Na lição de hoje, estudaremos a respeito da pessoa e obra do Espírito Santo, com ênfase na Sua divindade.
1. O ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO
No Antigo Testamento o Espírito Santo está presente já no ato da criação (Gn. 1.2). O Espírito Santo estava atuando na criação, pois, conforme está escrito no livro de Jó, Pelo seu Espírito, ornou os céus (Jó. 26.13). No Dilúvio, também lemos a respeito da manifestação do Espírito Santo. O dilúvio foi a resposta de Deus, já que “o meu Espírito não agira para sempre no homem” (Gn. 6.3). Desde aquele tempo, já estava manifesta a rebeldia do ser humano contra o Espírito de Deus (Hb. 3.7,8). No exercício da liderança no Antigo Testamento, o Espírito Santo exerceu papel preponderante. Durante a caminhada do povo de Israel, o Espírito Santo deu sabedoria e autoridade a Moisés para liderar (Nm. 11.16,17). O Espírito de Deus também capacitou Bezaleel para a construção do tabernáculo (Ex. 31.1-4), dando-lhe também habilidade para ensinar (Ex. 35.35). Josué, o sucessor de Moisés, recebeu do Espírito Santo a autoridade para comandar o exército do Todo Poderoso (Js. 6,10). Saul, o primeiro rei de Israel, foi agraciado pelo Espírito Santo com autoridade para reinar e profetizar (I Sm. 10.6; 10.10). Mas foi Davi, o sucessor de Saul, que desfrutou com maior impacto da presença do Espírito Santo (I Sm. 16.13), por isso, quando esse pecou, pediu ao Senhor que não retirasse dele o Seu Espírito Santo (Sl. 51.11). Os profetas do Antigo Testamento profetizaram pelo Espírito Santo (Ez. 2.2; 3.24).
2. O ESPÍRITO SANTO NO NOVO TESTAMENTO
No Novo Testamento, o Espírito Santo age de maneira especial. Ao anunciar o nascimento de João Batista, o anjo declara que este “será cheio do Espírito Santo já do ventre materno” (Lc. 1.15). A Maria, o anjo Gabriel anunciou o nascimento sobrenatural do Messias, pelo Espírito Santo (Lc. 1.34,35). O Espírito Santo atuou não apenas na concepção de Jesus, mas em todo Seu ministério. No Seu batismo, o Espírito Santo veio sobre Ele (Jô. 1.33; Lc. 3.22). O próprio Espírito Santo se encarregou de conduzir Jesus ao deserto, quando esse foi tentado por Satanás (Mt. 4.1; Mc. 1.12; Lc. 4.1). Ao longo do Seu ministério terreno, Jesus, mesmo sendo Deus, não quis usar suas prerrogativas divinas, por isso, atuou pelo Espírito Santo (Lc. 4.14). Jesus não só realizou milagres e maravilhas pelo Espírito Santo, Ele também batizou a Sua igreja a fim de que essa testemunhasse com Poder da Sua morte e ressurreição (Jo. 1.33; At. 1.8; 2.33). O Espírito Santo também conduziu a igreja na ordenação de ministros (At. 132.2-4), na solução de conflitos (At. 15.28) e na obra missionária (At. 16,6,7,9). Para o futuro, durante o milênio, existe a promessa de um derramamento total do Espírito Santo, principalmente sobre os judeus (Is. 32.15-18). Em Is. 44.3 está prometido: “derramarei água sobre o sedento e torrente sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade e a minha benção sobre os teus descendentes”.
3. A PESSOA E A OBRA DO ESPÍRITO SANTO
O Espírito Santo não é, conforme afirmam algumas seitas, uma força ativa de Deus. A Escritura Sagrada revela a personalidade do Espírito Santo. Ele é apresentado com títulos humanos, como um Consolador (I Jô. 2.1), ou conforme lemos em Jô. 14.16, um Outro Consolador, enviado pelo Pai, para substituiu Cristo, uma pessoa divina. O Espírito Santo é identificado, na Bíblia, com o Pai e com o Filho (Mt. 28.19; II Co. 13.13). Existem atributos pessoais que são direcionados ao Espírito Santo: pensamento (Rm. 8.27), ter vontade (I Co. 12.11), sentir tristeza (Ef. 4.30) sofre resistência (At. 7.51). Como pessoa, o Espírito Santo revela (II Pe. 1.21), ensina (Jo. 14.26), testemunha (Gl. 4.6), intercede (Rm. 8.26),fala (Ap. 2.7), testifica de Jesus (Jo. 15.26) e comanda (At. 16.6,7). O Espírito Santo não é apenas uma pessoa, Ele é Deus, pois é reconhecido pelos apóstolos como tal (At. 5.3,4), tendo atributos divinos de eternidade (Hb. 9.16), onipresença (Sl. 139.7-10), onipotência (Lc. 1.35) e onisciência (I Co. 2.10). Sendo Deus, o Espírito Santo tem poder para transformar seres humanos em novas criaturas por meio do novo nascimento (Jo. 3.3-8). O Espírito Santo tem poder para dar vida, pois Ele levantou Cristo da morte mediante a ressurreição (Rm. 8.11; I Co. 15.26). Assim como o Espírito Santo vivificou a Cristo, também, nós, no arrebatamento, passaremos pela transformação provida por esse mesmo Espírito Vivificador (Rm. 8.11).
CONCLUSÃO
O Espírito Santo não é apenas uma força ativa, mas uma Pessoa da Trindade Divina. Ele atuou tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Nos dias de hoje também podemos depender desse adorável Espírito Santo. Ele continua vivo e ativo, por isso, “quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Ap. 2.7,11).
BIBLIOGRAFIA
HORTON, S. M. A doutrina do Espírito Santo. Rio de Janeiro. CPAD, 1995.
SOUZA, E. A. Nos domínios do Espírito. Rio de Janeiro: CPAD, 1987.
Fonte: 

Pb. José Roberto Alves Barbosa
_____________________________________________________________
2º TRIMESTRE - MOVIMENTO PENTECOSTAL

2º TRIMESTRE - MOVIMENTO PENTECOSTAL

Lição 02

NOMES E SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO
Texto Áureo: Mt. 3.16 – Leitura Bíblica: Jo. 1.19-33; Rm. 8.9-11,14,15.
Objetivo: Identificar a pluralidade dos nomes e símbolos do Espírito Santo na Bíblia, ressaltando Sua obra e ministério da vida do crente.
INTRODUÇÃO
A Bíblia revela uma série de nomes e símbolos do Espírito Santo, cada um deles com um significado especial. Na aula de hoje, estudaremos sobre os principais nomes e símbolos do Espírito Santo no Antigo e no Novo Testamento. No principio, explicaremos o papel dos nomes e símbolos na teologia bíblica, em seguida, passaremos a descrever os nomes e símbolos do Espírito Santo.
1. NOMES E SÍMBOLOS NA BÍBLIA
Na Bíblia, o nome atribuído às pessoas é mais do que uma mera convenção. A revelação de um nome tem significado referencial atributivo. Os nomes, no Antigo Testamento, apontavam para o caráter da pessoa, por isso, o nome do Senhor não poderia ser tomado em vão (Ex. 20.7). Os nomes de Deus, por conseguinte, destacam seus atributos: Gn. 16.13; 22.14; Ex. 15.26; Is. 11.10; Jr. 23.6. No Novo Testamento, Jesus se revelou para mostrar o nome de Deus (Jo. 17.26). O conhecimento dos nomes de Deus, revelados por Ele mesmo, é fundamental para que tenhamos uma melhor compreensão de quem Ele é: Pai, Filho e Espírito Santo. Um símbolo, por sua vez, é uma representação de uma pessoa ou objeto. É algo que significa ou representa outra coisa, podendo os dois ter alguma conexão inerente, ainda que não seja equivalente em sentido literal. O estudo criterioso dos nomes e símbolos da Bíblia, considerando os aspectos contextuais, e respeitando as regras da hermenêutica, pode auxiliar a compreensão da revelação divina. È preciso, porém, tomar as devidas precauções para que a simbologia bíblica não se transforme em mera eisegese [diferentemente da exegese], isto é, interpretações meramente humanas a partir do texto divino.
2. NOMES DO ESPÍRITO SANTO NA BÍBLIA
O principal nome do Espírito Santo na Bíblia, conforme denominado por Jesus, é o de CONSOLADOR (Jo. 14.16). O Senhor prometeu que rogaria ao Pai e esse enviaria OUTRO paracleto – AJUDADOR – para que estivesse com os seus discípulos para sempre. Esse Espírito é SANTO e de SANTIDADE (Rm. 1.3,4), por essa razão é o SANTIFICADOR (Rm. 8), que, além de revelar o pecado, a justiça e o juízo (Jo. 16.8), também produz no crente o Seu fruto (Gl. 5.22). O Espírito Santo se manifesta como o Espírito de ADOÇÃO, pois através do sacrifício de Cristo, fomos feitos filhos de Deus, podendo chamá-lo de Aba, Pai (Rm. 8.15). O próprio Espírito testifica com o nosso espírito de que somos filhos de Deus (Rm. 8.16). Essa adoção se dá porque o ESPÍRITO DO SEU FILHO está em nós (Gl. 4.6). Em razão da Sua relação íntima com o Filho, Ele é também revelado como o Espírito de Cristo (I Pe. 1.10,11), e do Pai (Mt. 19.20). Esse mesmo Espírito é o Espírito da Vida, que livra o ser humano da lei do pecado e da morte (Rm. 8.2). Assim como Ele levantou Cristo dentre os mortos, trará também à vida os nossos corpos mortais (Rm. 8.11). Essa mensagem é fiel e verdadeira porque o Espírito que a revelou é o ESPÍRITO DA VERDADE que nos guia (Jo. 16.3).
3. SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO NA BÍBLIA
Existem vários símbolos bíblicos que aludem ao Espírito Santo. Em Mt. 2.16,17 o Espírito Santo veio sobre Jesus em forma corpórea como de uma pomba, símbolo da pureza divina, por isso essa ave era utilizada para sacrifícios (Lc. 2.24). A POMBA como símbolo do Espírito Santo revela Sua pureza, e, ao mesmo tempo, Sua atuação para nos purificar. Em Jo. 7.37-39, a ÁGUA é revelada por Jesus, a partir de Is. 44.3,4, como um símbolo do Espírito Santo. Não há como existir vida sem água, por isso, por meio dessa ÁGUA, somos regenerados em Cristo, nascidos do Espírito para ver o Reino de Deus (Jo. 3.3-8). O Espírito Santo é simbolizado em Zc. 4.2-6 como ÓLEO que em Mt. 25.1-4 tem a ver com a vigilância. É pelo Espírito que mantemos a lâmpada acesa até que Jesus retorne. O óleo do Espírito Santo gera luz em nós a fim de que iluminemos as trevas do mundo (Mt. 5.13,14). Em II Co. 1.20-22, o Espírito Santo é simbolizado como SELO e PENHOR. O sacrifício de Cristo na cruz do calvário nos garante a salvação, e a presença do Espírito Santo no crente. Ele oferece essa certeza na expectação pelo pleno cumprimento das promessas de Cristo (Jo. 14.1,2). O Selo do Espírito é a garantia de que pertencemos Àquele que nos comprou com o Seu sangue (Ef. 1.13; II Tm. 2.19). Em Lc. 3.16 o Espírito Santo é simbolizado como FOGO. Ele é FOGO CONSUMIDOR que manifesta a Sua presença (Ex. 3.2) que protege e lidera (Ex. 13.21) e que julga (Lv. 9.24) pelo Seu poder purificador (Is. 6.6,7). No dia de Pentecostes, por ocasião do derramamento do Espírito Santo, foram vistas línguas repartidas como de fogo (At. 2.1,2), ressaltando o Seu poder para o testemunho do evangelho de Cristo (At. 1.8). Outro símbolo do Espírito Santo é o VENTO. No mesmo texto alusivo ao dia de Pentecostes, Lucas registra que se ouviu um som como que de um vento veemente e impetuoso. Esse Espírito, que é a mesma palavra vento (Pneuma) em grego, é invisível, por isso, os adoradores de Deus O adoram em espírito (Jo. 4.24). Antes de partir Jesus soprou sobre os SEUS discípulos, a fim de que esses recebessem o Espírito (Jo. 20.22), ainda que essa não fosse a experiência do enchimento de poder, que viria a ocorrer posteriormente (Lc. 24.49)
CONCLUSÃO
Os nomes e símbolos do Espírito Santo nos revelam quem Ele é. Mas essas informações não devam apenas fazer parte do nosso conhecimento teológico. A revelação de QUEM o Espírito Santo é, através dos Seus nomes e símbolos, deva servir de motivação desenvolvermos uma experiência profunda com o CONSOLADOR, MESTRE E GUIA que nos direciona para a VERDADE e que nos PURIFICA. Assim é todo aquele que ouve quando o VENTO soprar. Ele sopra para onde quer, por isso, é preciso estar atento para a Sua voz.
BIBLIOGRAFIA
HORTON, S. M. A doutrina do Espírito Santo. Rio de Janeiro: CPAD, 1995.
SOUZA, E. A. de. Nos domínios do Espírito. Rio de Janeiro: CPAD, 1987.
fONTE: 

Pb. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @ebdsoledade2  /  Twitter: @subsidioEBD
________________________________________________________________